I'm not gonna crack.


0 notes | 3 months ago

o maldito que se tornou parte essencial de mim 

E quando decide satisfazer parte da sede que provém dele, os garotos do porão voltam a me abandonar, não os culpo e não me é pesaroso aceitar, por que de todas as minhas paranoias, essa de longe é a melhor. Em outras crises tudo vem acompanhado da necessidade de um plano de emergência, mas não a sua, não quando vem dele. Em outras ocasiões o medo predomina e sinto não haver nenhuma saída, mas se tratando da paranoia que nasceu do âmago da minha sede pelo maldito, no momento em que me pego presa ao torpor, sentindo a adrenalina, os batimentos cardíacos descontrolados, quando sinto a sensação de desprendimento e redenção, é aí que sinto encontrar minha única saída. As obrigações do dia a dia passam ao segundo plano e ainda que eu as realize, durante todo o tempo minha mente está longe, buscando entendê-lo e estar com ele. Minha fome desaparece por dias, me fazendo pensar que é ele que me importa e não a sobrevivência. Tudo parece tão vago que as pessoas a minha volta sentem não receber a devida atenção, todavia, conseguia me sentir mais plena quando na companhia dele, mesmo sentindo meu corpo ceder, ainda que me sentisse doente pela falta do que consideravam o mínimo para sobreviver. E eu me pergunto no que me tornei sempre que acordo e percebo que todas as minhas horas foram dedicadas a ele, até mesmo meu sono e vidas paralelas, onde supunha que meu tugúrio estivesse. Se me dissessem que poderia começar de novo, há alguma distância, que assim eu me salvaria e encontraria um jeito, sei que não seria capaz de convencer que não há para onde fugir quando alguém se tornou parte essencial de você. 

Thayná Afonso




3 notes | 5 months ago



23 notes | 5 months ago



0 notes | 5 months ago



39 notes | 5 months ago



126 notes | 7 months ago , via sandshoegazette | from sandshoegazette





11 notes | 8 months ago , via evilonyx | from evilonyx



"Freqüentemente, os melhores momentos na vida são quando a gente não está fazendo nada, só ruminando. Quer dizer, a gente pensa que todo mundo é sem sentido, aí vê que não pode ser tão sem sentido assim se a gente percebe que é sem sentido, e essa consciência da falta de sentido já é quase um pouco de sentido. Sabe como é? Um otimismo pessimista."

Charles Bukowski. (via marchian)

(Source: thismomentformymind)




2 notes | 8 months ago
I prefer her to any other. Marijuana.

I prefer her to any other. Marijuana.